Colóquios e seminários

INFORMAÇÕES GERAIS

quinta, 19/10/2017, 18:30h

Charles Girard no ciclo “Mutações” 2017

Este ano, filósofos brasileiros e franceses reúnem-se, mais uma vez, no Rio, em Belo Horizonte e Brasília em torno do conceito de Mutações, desta vez para discutir este as dissonâncias do progresso.

Progresso e democracia

A democracia é tributária do progresso num duplo aspecto. Um progresso econômico e tecnológico plurissecular permitiu aos regimes democráticos modernos se instalarem de maneira duradoura em sociedades complexas de grande porte, ao mesmo tempo em que alimentou o desenvolvimento da paixão pela igualdade no seio dessas sociedades. Mas esse regime só pode se realizar plenamente com a condição de um progresso moral do povo, único meio para que este último aprenda a governar-se ele mesmo. John Stuart Mill, em suas Considerações sobre o governo representativo, julgava assim que a democracia representativa só podia ser a “forma idealmente melhor” de governo com a condição de satisfazer duas exigências: promover a competência no governo dos assuntos públicos a curto prazo e elevar o caráter moral do povo a longo prazo. A delegação a representantes competentes é indispensável para assegurar o bom governo enquanto a educação e a elevação do povo não lhe permitem governar-se a si mesmo sem o apoio de especialistas; mas esse arranjo provisório deve ser revisado à medida que a participação ativa nas responsabilidades políticas – que deve permanecer aberta a todos – possibilite o progresso intelectual e o progresso moral do povo. Assim, o apelo às promessas de educação popular constitui, até hoje, a última seção de todos os tratados filosóficos sobre a democracia, como observou ironicamente Walter Lippmann. Muitas instituições características de nossos regimes representativos (a começar pela articulação do governo representativo e do sufrágio universal direto) são na verdade compromissos precários entre a incumbência dos instrumentos de governo a especialistas em função do progresso econômico e técnico, de um lado, e a promoção do progresso intelectual e moral pela participação ativa dos cidadãos, de outro. Contudo, a persistência no tempo desse compromisso institucional, cuja superação é simultaneamente esperada e temida, faz duvidar da realidade de um ajustamento entre progresso técnico e progresso intelectual e moral. Com isso uma dupla ameaça pesa sobre a manutenção do equilíbrio democrático. De um lado, elites políticas e econômicas propõem ultrapassar a democracia ao questionarem a igualdade de participação em nome da complexidade crescente das questões de governança ligadas ao progresso técnico (da gestão da crise financeira à luta contra o aquecimento climático, passando pelas políticas antiterroristas). De outro, promotores da participação indiferenciada propõem ultrapassar a democracia ao negarem qualquer diferença de competência ou de habilidade entre indivíduos, afastando assim a ideia de um progresso necessário do povo. Nos dois casos, a evolução defendida apresenta-se como um progresso propriamente democrático: trata-se de tornar esse regime mais fiel a si mesmo seja imprimindo-lhe maior eficácia (menor participação, portanto), seja imprimindo-lhe maior participação (o que não afeta a eficácia). Para responder a esses discursos e avaliar o futuro das sociedades democráticas, cumpre reconsiderar a relação que elas mantêm com o progresso.

Charles Girard

 

Sobre o conferencista : 

Charles Girard foi professor de filosofia na Universidade de Paris (Sorbonne) e é professor de Filosofia Política, Moral e Jurídica na Universidade Jean Moulin em Lyon. Seus trabalhos concentram-se nas teorias contemporâneas de democracia, espaço público,  liberdade de expressão, discursos do ódio e direitos fundamentais. Dirigiu, com Alice Le Goff, A democracia deliberativa. Antologia de textos fundamentais e, com Florence Hulak, Filosofia das ciências humanas Volume 1: conceitos e problemasFilosofia das ciências humanas Volume 2 : Objetos e métodos. Dirige a coleção O advogado do diabo.

 

Sobre o ciclo “Mutações” 2017 : www.mutacoes.com.br

Comentar | Compartilhar

BIBLIOFRANÇA

Portal do livro francês no Brasil, Serviço de Cooperação e Ação Cultural da Embaixada da França

ESCRITÓRIO DO LIVRO

Sediado no Consulado da França no Rio de Janeiro, faz a promoção do livro francês no Brasil e concede apoio aos profissionais do livro e da leitura

BIBLIOTECA

Biblioteca, espaço de leitura, debate e reflexão

21.3974.6669

Av. Presidente Antonio Carlos 58, Centro, RJ – Brasil

[+]