Lançamentos

SAIBA MAIS

Equipe

Marion Loire
diretora

Rafael Viegas
diretor-adjunto

Luiz Miranda
Marina Borges
Claudia Cordeiro
(estagiária)

 

Serviços

Além de biblioteca e sala de leitura, a Mediateca também ajuda você a procurar informações sobre a França.

 

Estudar na França?

Pessoas em busca de informações sobre estudos universitários na França estão convidadas a contactar a agência

Campus France

campusfrance@

edufrance.com.br

Diário de Luto

Diário de Luto

Diário de Luto consiste na verdade em um diário de fato, mantido pelo semiólogo e escritor Roland Barthes entre 26 de outubro de 1977, dia seguinte ao da morte de sua mãe e 15 de setembro de 1979. Trata-se de um conjunto de 330 fichas quase todas datadas e reunidas pela primeira vez em livro.

Enquête sur les modes d’existence

Enquête sur les modes d’existence

Dando continuidade ao trabalho iniciado em seu clássico “Jamais fomos Modernos”, Bruno Latour investiga aqui a noção de “modo de existência” (tanto uma forma de ser quanto um tipo particular de condição – ou regime – de verdade).Esta investigação nos leva refletir sobre o que herdamos dos Modernos e o que, efetivamente, conseguimos criar de original.

Escravos

Escravos

Esta obra conta a história dos primeiros afro-brasileiros. No início do século XIX, o tráfico negreiro fez a fortuna dos senhores de escravos e seus aliados no continente africano. O único que se atreve a falar contra a escravidão, o rei Adandozan, é deposto. Seu súdito mais fiel, um jovem mestre de rituais, é vendido para um comerciante Inglês e enviado como escravo ao Brasil. O autor narra a saga desse personagem que, depois de 24 anos como escravo e de participar de inúmeras revoltas, retorna à África para honrar a memória do seu rei, morto no esquecimento, para um país que o tornara estrangeiro.

Apoio PAP

Freud – Mas porque tanto odio?

Freud – Mas porque tanto odio?

Em 2010, o filósofo francês Michel Onfray lançou na França o polêmico Le crépuscule d’une idole. Nas páginas Freud é tratado como impostor, homofóbico, incestuoso e fascista. Pouco tempo depois a psicanalista Elisabeth Roudinesco lançou sua resposta, apontando erros de apuração, fatos forjados e acusações maliciosas como a de que o mestre da psicanálise teria mantido um caso com a cunhada por quarenta anos. A autora ainda mostra como as acusações apresentadas não são novas, são boatos antigos criados por quem buscava apenas atrair as atenções da mídia.
Para Roudinesco, tanto ódio, porém, tem justificativa: ninguém derruba uma série de mitos, como os relacionados ao sexo, sem pagar um alto preço por isso.
Completando a edição estão ainda cinco artigos assinados por profissionais da área de história, filosofia e psiquiatria e uma entrevista publicada na revista Le Nouvel Observateur, em que ela esclarece os constantes ataques à psicanálise.
“O ódio a Freud se manifestou desde os seus primeiros escritos. Ele é da mesma natureza que o ódio a Darwin. Freud realizou algo que parece intolerável à humanidade. É a revolução do íntimo.” Elisabeth Roudinesco
Duplo canto e outros poemas

Duplo canto e outros poemas

Poeta sino-francês, François Cheng é um sintetizador dessas duas extraordinárias vertentes da civilização. Sua simbiose enlaça a tradição de litetatura e pensamento zen, na sua expressão ideográfica distinta, à nossa tradição radicalmente inovadora da perspectiva aberta por Mallarmé. Integrador de imagens e culturas, Cheng muito nos enriquece a vivência literária: no caso dos leitores de língua portuguesa, graças ao pleno encontro do tradutor Bruno Palma com o mestre sino-francês, recriando-o admiravelmente em nossa língua.

Dicionário de Ciências Humanas

Dicionário de Ciências Humanas

900 entradas – Este dicionário enciclopédico coloca, à disposição de todos, conceitos (autismo, behavorismo, cidadania, positivismo etc.), autores (Pierre Bourdieu, Charles Darwin, Michel Foucault etc.) e palavras-chave da cultura contemporânea (bioética, placebo etc.) que formam o corpus atual das ciências humanas. Um dicionário ágil – cada conceito, apresentado a partir de exemplos expressivos, é acompanhado de um histórico e de uma descrição de seus diferentes usos segundo as disciplinas. Os quadros destacam um tema ou um exemplo: “O efeito coquetel”, “A família nuclear sempre existiu”, “As emoções são naturais ou culturais?” Por sua abertura aos diferentes campos das ciências humanas, por sua concepção pedagógica e dinâmica, este dicionário será o companheiro de trabalho de estudantes, uma referência para os profissionais de ciências humanas e um instrumento de cultural geral para um público amplo.

Do Princípio da arte e de sua destinação social

Do Princípio da arte e de sua destinação social

A organização deste livro, constituído por diversos escritos, foi interrompido pela morte do autor em janeiro de 1865. Pouco depois, um grupo de seis amigos de Proudhon reuniu os textos que faltavam para completá-lo e publicou o conjunto sob o título Do princípio da arte e de sua destinação social. Nossa tradução brasileira é fiel à primeira edição, e inclui as explicações dos responsáveis por ela, expostas na Advertência ao leitor. Neste livro, o leitor encontra reflexões aprofundadas sobre o conceito de arte, a sua utilidade, se ela é um elemento de civilização ou decadência, sobre a faculdade estética do homem, sobre o sentimento de beleza que age em favor na natureza e outras questões próprias de um ensaio. Nesse sentido, todas as modalidades artísticas são englobadas por Proudhon. O leitor, com o livro, ainda terá a oportunidade de ver as constatações das diferentes formas de se pensar a obra de arte nos diferentes períodos (Idade Média, Renascimento, Reforma, Rev. Francesa, primeira metade do século XIX), além de um estudo crítico de David, Delacroix, Ingres, David de Angers e Rude, Léopold Robert, Horace Vernet, Chenavard e um exame minucioso de alguns quadros de Coubet. Como se não bastasse, o autor ainda encontra espaço para dar conselhos e falar da afirmação da escola crítica. Na mesma obra, há uma análise crítica de Émile Zola sobre a obra e o contexto de ensaios produzidos por Proudhon, além de uma discussão sobre a serventia da arte, pela qual Proudhon insistia em passar.

Dicionário crítico do feminismo

Dicionário crítico do feminismo

O Dicionário Crítico do Feminismo reúne uma coletânea de rubricas redigidas por especialistas em cada uma das temáticas abordadas. Visa estimular a reflexão sobre a construção social da hierarquia entre os sexos e desenvolver um pensamento crítico feminista que favoreça a emancipação das mulheres e a igualdade na diferença. Esta publicação traz um repertório de conceitos estabelecidos pelas teorias feministas para abordar as questões de gênero, apontando como alguns paradigmas das Ciências Sociais estão fundamentados na dominação masculina. Nesse aspecto, possibilita a ampliação do debate interdisciplinar e pluralista do feminismo crítico contemporâneo. Este dicionário mostra como o mundo é marcado pela dominação das mulheres pelos homens num processo que, ao longo dos séculos, tem se transformado e assumido novas formas, sustentadas e fortalecidas não só por códigos sociais estabelecidos há décadas e impostos desde a infância, mas também por algumas políticas públicas (sociais, familiares e de emprego).

Derrida, um egípcio

Derrida, um egípcio

O filósofo alemão Peter Sloterdijk desenvolve neste livro uma série de reflexões feitas a partir da morte de Derrida. Mais do que uma simples homenagem, trata-se de lançar um olhar entre o modesto e o extremamente ambicioso sobre uma obra de cerca de oitenta volumes. Em vez de monumentalizar o conjunto dos textos de Derrida, tenta-se revê-lo com o recurso da pirâmide e de seu significado na civilização egípcia, além de expor o modo como se deu o advento do monoteísmo. Afirma o autor: “[…] já se pode ter desenhado o contorno principal de um retrato filosófico de Derrida: sua trajetória se definiu pelo cuidado vigilante de não se deixar fixar numa identidade determinada — cuidado este afirmado tanto quanto a convicção do autor de que seu lugar só podia se situar na linha de frente mais avançada da visibilidade intelectual.” A hipótese de Sloterdijk propõe que o pensamento derridiano corresponderia a um tempo em que os autores, em vez de tratar diretamente dos assuntos, preferem comentar outros pensadores que já abordaram os mesmos temas. Viveríamos então, numa época de leituras de segunda ordem, o que colocaria necessariamente Sloterdijk — leitor das leituras de Derrida — em uma posição de terceira ordem. Se assim for, talvez se torne necessário, diante do arguto e irônico ensaio que ora se publica, indagar se, desde os egípcios, e em seguida com os gregos, judeus, romanos e cristãos, os autores e as civilizações não estiveram sempre, de algum modo, propondo reflexões de segunda, terceira e quarta ordens — ao infinito. (Evando Nascimento)

Entre real e surreal

Entre real e surreal

Percorrer, através de uma seleção de textos, os dois últimos séculos da produção literária francófona da Bélgica, eis o desafio ao qual se propõe este volume. Esta obra mergulha o leitor na extraordinária proliferação de uma literatura que começa antes mesmo de 1830. Uma literatura que oscila, constantemente, entre real e surreal, considerando-se que suas relações com a história, com a língua, com a forma e com o mito, são tecidas através de sutis descompassos, patentes ou escondidos, com os modelos franceses.

Estados de violência: ensaio sobre o fim da guerra

Estados de violência: ensaio sobre o fim da guerra

“A guerra mudou a tal ponto de aspecto que é preciso admitir que o que foi pensado sob seu nome durante séculos praticamento desapareceu. Ser-me-ão objetados evidentemente os atentados terroristas de Nova York, Madri, Londres, a situação ‘explosiva’ no Cáucaso ou no Oriente Médio, ou ainda alguns países da África ou da América do Sul, dilacerados por intermináveis conflitos internos, etc. Contudo, eu jamais quis dizer, ao escrever ‘a guerra não existe mais’ que a humanidade enfim entrou na paz perpétua. Depois da queda do muro de Berlim, acreditou-se que começava o fim da História. Com a derrocada do comunismo, todas as nações iriam se abrir ao liberalismo democrático; suas relações seriam reguladas por um amável comércio, com doces leis de câmbio e um quadro jurídico reconhecido por todos. Foi outra coisa que se produziu: o fim da guerra e o florescimento dos estados de violência. O fim da guerra não significa com efeito o fim das violências, mas sua redistribuição em configurações inéditas, cujos grandes princípios traçaremos em fim de percurso. O fim da guerra não significa sobretudo a paz, porque não é possível pensar a paz fora do horizonte da guerra.”

RECOMENDADOS

LANçAMENTO

Lançamento do livro “Por que não escrevi nenhum de meus livros” de Marcel Benabou

Você sabe o que é OuLiPo ? Venham amanhã na Primavera Literária descobrir do que se trata com dois eventos, ambos no dia 19. De manhã haverá uma...

LANçAMENTO

Lançamento do livro “Por que não escrevi nenhum de meus livros” de Marcel Benabou

LITERATURA

Convidado francês : Abdellah Taïa

Em outubro, venham conhecer o escritor Abdellah Taïa. Seu romance Aquele que é digno de ser amado é seu primeiro título publicado em português (l...

LITERATURA

Convidado francês : Abdellah Taïa

OUTROS EVENTOS

Primavera Literária do Rio

A 18ª edição da Primavera Literária do Rio irá acontecer de 18 a 21 de outubro no Museu Da República : a oportunidade para se encontrar e discut...

OUTROS EVENTOS

Primavera Literária do Rio

BIBLIOFRANÇA

Portal do livro francês no Brasil, Serviço de Cooperação e Ação Cultural da Embaixada da França

ESCRITÓRIO DO LIVRO

Sediado no Consulado da França no Rio de Janeiro, faz a promoção do livro francês no Brasil e concede apoio aos profissionais do livro e da leitura

BIBLIOTECA

Biblioteca, espaço de leitura, debate e reflexão

21.3974.6669

Av. Presidente Antonio Carlos 58, Centro, RJ – Brasil

[+]